O que dizem de nós

Elisabete Gonçalves, Condeixa-a-Nova

Fui mãe há quase quatro anos. Foi a melhor coisa que me aconteceu na vida.
Na primeira hora de vida do meu filho, tive o privilégio de lhe dar mama. Foi um momento mágico.
Os primeiros dias foram complicados, mas com o apoio da minha irmã e de enfermeiras continuei a dar mama e não desisti.
Fomos para casa e não tinha ninguém que me apoiasse. A minha irmã, que estava longe, foi o meu apoio incondicional. Lembro-me muito bem que o meu filho não ganhava peso como deveria. No décimo dia, a enfermeira do centro de saúde falou-me em suplemento e eu quase cedi por ignorância e insegurança.
Agradeço à minha irmã (Isabel Alexandra) que, através do Skype, me ensinou a fazer a pega e, a partir daí, nunca mais tive problemas em dar mama. Sem ela, teria desistido logo no início e hoje orgulho-me de ainda dar mama ao meu filho.
(...) Desejo a todas as mães que tenham sempre um Anjo da Guarda nestes momentos; que, quando precisarem de dar o melhor a um filho e, por diversas razões (medo, ignorância...) não conseguirem agir e decidir da melhor forma, que apareça sempre alguém que saiba apoiar e ajudar a decidir e agir, como me aconteceu.

Patrícia Magalhães, Versalhes

O meu filho nasceu numa maternidade pública. Perdeu muito peso e, por isso, as enfermeiras disseram para lhe dar suplemento. Dava mama e a seguir suplemento, contra a minha vontade. Entretanto, tive contacto com a Isabel, que me aconselhou e explicou que a minha mama era o suficiente para o meu filho. Ensinou-me como deveria dar mama, deu-me muita coragem e incentivou-me a não desistir daquilo que tanto queria: dar mama exclusiva ao meu filho.
Tive muita sorte em conhecer a Isabel, pois se não lhe tivesse pedido ajuda continuaria dar suplemento e teria sido um desgosto para mim.
Bem-haja à Isabel e todas as mulheres que também praticam esse Dom.

canstockphoto1709962-doula-e-mae

canstockphoto10683292-pai-apoia-mae

canstockphoto20283190-mae-pai-bebe